Cientistas alertam para risco de seca prolongada nos Estados Unidos

Cientistas alertam para risco de seca prolongada nos Estados Unidos

Estiagem causada pela ação do homem pode afetar grandes regiões do país por até 40 anos e prejudicar a produção de alimentos

Secas nos próximos anos acontecerão por combinação de redução das chuvas e aumento da evaporação da água do solo (Foto: Nasa)
Secas nos próximos anos acontecerão por combinação de redução das chuvas e aumento da evaporação da água do solo (Foto: Nasa)

Nos Estados Unidos cientistas divulgaram um estudo assustador: se a emissão de gases poluentes continuar no ritmo atual, os americanos vão enfrentar uma seca prolongada como não se via há muitos séculos.

A seca que afeta a Califórnia é só uma amostra do que vem pela frente. Até o fim deste séculos milhões de americanos vão enfrentar um fenômeno que não se via há mil anos. As megassecas devem castigar o Sudoeste dos Estados Unidos, a região das grandes planícies, que corta o país de Norte a Sul e é uma grande produtora de alimentos.

O cientista da Nasa Ben Cook diz que as secas normais, como a atual, duram no máximo uma década. Já as megassecas podem durar 30, 40 anos.

A estiagem prolongada vai ser resultado de menos chuva e neve e de mais evaporação.Uma consequência do aquecimento do planeta, segundo os pesquisadores uma consequência da ação do homem.

Para chegar a essa conclusão os cientistas analisaram dados das secas do passado e simularam em computadores o que pode acontecer com a umidade do solo depedendo da quantidade de gases que causam o aquecimento do planeta.

Hoje o risco de uma megasseca é de 12%. Se as emissões de gases estufa continuarem crescendo o risco sobe para 80%.

Mas se isso não acontecer, diz o cientista Ben Cook, a seca vai criar um desafio inédito para a agricultura, o ecossistema e as pessoas.

Fonte: g1.globo.com