Carolina Dieckmann revela “A Regra do Jogo”

Carolina Dieckmann revela “A Regra do Jogo”

A atriz vive a garçonete Lara que vem agradando o público. Mas o grande destaque da carreira foi em “Laços de Família”, vivendo Camila, que descobre ter leucemia e raspa a cabeça, emocionando o Brasil

carolina

Com o baixo índice de audiência da novela “A Regra do Jogo”, nas primeiras semanas – atualmente a novela superou a má fase -, e com a rejeição da personagem Tóia,interpretada por Vanessa Giácomo, a experiente Carolina Dieckmann foi chamada para reforçar o elenco da trama global. Vivendo na pele da garçonete Lara, a atriz, quando na escalação do elenco, era um dos nomes mais fortes para viver a personagem central, mas acabou perdendo a chance. Segundo declara Carolina, em ótima forma física, fez “milhões de testes” e até escureceu os cabelos para poder ser a protagonista do folhetim de João Emanuel Carneiro, mas não deu certo. O principal motivo para não ter ficado com o papel foi o fato de não ser morena, um dos principais desejos do autor.A atriz tem 37 anos e é mãe de dois filhos: Davi, de 16 anos, e José, de sete anos.

Lembra Dieckmann que “chegaram a tingir os meus cabelos de preto, mas acharam que não funcionou. Tenho um nariz arrebitado. O meu olho é claro e sugeriram que eu colocasse uma lente, mas é difícil fazer uma novela desse jeito. Fiz uma parte de ‘Senhora do destino’ (2004) com lente e foi muito complicado. Era uma questão do físico em A Regra do Jogo”, conta a atriz. “Senti que houve um esforço para que eu fizesse a novela. Até mudei algumas vezes de cabelo, mas não deu. Eu não fiquei triste porque não há nada o que fazer. Acredito que ‘o que não tem remédio remediado está’. Não posso nascer de novo, de outros pais, por um papel. As coisas que eu já fiz na minha carreira, em termos físicos, mostram que tenho uma abertura total para isso”, completa.

Carolina começou a carreira trabalhando como modelo até passar no teste para atuar na minissérie “Sex Appeal” (1993), em que fez sua primeira personagem na TV, Claudinha. Em 1995, integrou o primeiro elenco do seriado teen “Malhação”, onde interpretava Juliana (July) uma adolescente rebelde. O grande destaque aconteceu na novela “Laços de Família”, de Manoel Carlos, vivendo Camila, personagem envolvida em grandes conflitos e que descobre ter leucemia. Durante a trama, a atriz participou de uma campanha institucional incentivando a doação de medula. Para a campanha, foi usada a cena de grande emoção em que Camila, por estar com queda de cabelo devido ao tratamento de quimioterapia, raspa a cabeça. Outro destaque foi quando interpretou Maria, na encenação da Via Sacra, em Cabo Frio, contracenando com Eduardo Moscovis, que fez o papel de Jesus. Nesse mesmo ano, atuou no episódio “As Proezas do Finado Zacarias” do programa “Brava Gente”.

Em “Mulheres Apaixonadas”, abordando o tabu da virgindade até depois da adolescência, Carolina teve uma grande atuação. Em “Senhora do Destino”, viveu Isabel. Mas o boom da carreira ocorreu em “Cobras & Lagartos”, de João Emanuel Carneiro, ao viver na pele de sua primeira vilã, Leona. Em 2007, no Rio de Janeiro, a atriz posou para a exposição “Síntese”, do fotógrafo Fernando Torquato com fotos ousadas. No mesmo ano, Dieckmann processou o “Pânico na TV!”, da RedeTV!, e ganhou a causa. Na ação, ela alegava que teve sua vida privada invadida quando foi perseguida pelos apresentadores cômicos, Vesgo e Sílvio (numa imitação de Sílvio Santos, do SBT). Os humoristas chegaram a colocar um guindaste para flagrar o filho da atriz dentro do apartamento. A emissora teve que pagar 35 mil reais de indenização e ficou proibida de fazer referência à atriz.

Paixão pela carreira

carolina2

Indagada sobre a carreira na televisão, Carolina Dieckmann foi enfática: “Eu amo televisão, faço com o maior amor do mundo. Meus filhos bem sabem a mãe noveleira que eles têm!”, brinca. E quanto à experiência de ter raspado os cabelos diante das câmeras, na novela “Laços de Família”, vivendo a notável e inesquecível Camila, afirmou que, “só me vi bonita mesmo depois que raspei a cabeça. Percebi que havia uma saída para aquela menina loura e de olho azul. A partir daí, comecei a achar que tinha o poder de seduzir alguém. Adoraria que alguém me mandasse raspar a cabeça de novo”.

E quando o assunto é traição e lealdade, Carolina Dieckmann é categórica: “A lealdade é o bem mais precioso que podemos dar para uma pessoa. Então, a traição pode ser perdoável, possível e até necessária, desde que não quebre a lealdade, não exponha o parceiro nem interfira no casamento”, relata. “Se a traição for motivada apenas pela necessidade de expandir a imaginação, algo que seja desculpável por você mesmo e que não quebre o compromisso na relação, você só está resolvendo um problema seu. Não é justo atrapalhar uma relação por causa de um desejo latente, que não cabe no sexo do casal. A gente fala que em quatro paredes vale tudo, mas quem disse que a gente tem coragem de satisfazer todas as nossas vontades? Às vezes existem coisas que você não pode viver com seu parceiro, mas, ao mesmo tempo, seu relacionamento é tão mais importante que não vale a pena jogar tudo fora por causa de uma escapada. Em determinados casos, a traição pode salvar o relacionamento da pessoa, que está arrumando uma maneira de continuar junto e ser feliz, sem culpa. Mas tem que ser leal. Não acho legal quando o cara tem uma amante de quem realmente gosta e com quem vive uma relação paralela”, complementa.

Vegetariana de ocasião, a atriz explicou que, “fiz uma breve tentativa de ser vegetariana depois que li um guia de alimentação saudável chamado ´Magra & Poderosa´, que fala das vantagens da dieta vegan. Fiquei horrorizada quando soube dos horrores sofridos pelos animais abatidos. Deixei de comer por um curto momento, sem contar para ninguém. Mas não consegui. Então eu não deixei de comer carne, mas diminuí o consumo. Bacon, por exemplo, eu cortei. Frango, só como orgânico”, revela.