Cancelamento do Consulado Itinerante gera descontentamento entre brasileiros

voltar

NOV/14 – pág. 35

A decisão do Itamaraty em suspender os serviços consulares surpreendeu a Comunidade. Retaliação ou contensão de despesas? Inicia-se campanha para reivindicar a abertura do Consulado em Orlando

Para o cidadão brasileiro é vital os serviços prestados pelo Consulado Itinerante, facilitando a vida do imigrante que necessita estar na presença do Cônsul para resolver pendências na documentação como, por exemplo, emissão de registros de nascimento e casamento, emissão de procurações por instrumento público, alistamentos eleitorais entre outros quesitos. E a deslocação da equipe consular em cidades onde a demanda é crescente, como acontece em Orlando, facilita a vida dos interessados, evitando que os mesmos percam dia de trabalho ao se deslocarem até o Consulado Brasileiro, em Miami. Entretanto, a decisão do Itamaraty (Ministério das Relações Exteriores) em cancelar temporariamente o Consulado Itinerante nos Estados Unidos surpreendeu a Comunidade. Mas qual o motivo? Questão orçamentária, administrativa ou retaliação aos emigrantes que votaram maciçamente no candidato à Presidência de República, Aécio Neves (PSDB)? Outro fator preponderante é a campanha que se iniciará em breve, reivindicando ao governo federal a abertura do Consulado em Orlando.

Segundo o Pastor Wesley Galvão Porto, da Igreja Presbiteriana Nova Esperança, em Orlando, onde acontecem as atividades do Consulado Itinerante, o cônsul Hélio Vitor Ramos Filho, de Miami, o havia alertado sobre o corte de verbas do Itamaraty, destinadas às atividades do Consulado Itinerante nos Estados Unidos. “O aviso ocorreu muito antes das eleições presidenciais e o fato também coincide com a mudança de sede do Consulado brasileiro em Miami. As atividades do Consulado itinerante foram canceladas no mês de outubro e, provavelmente em novembro, mas por problemas orçamentários”, disse o religioso, mineiro, da cidade de Uberaba.

Quanto aos rumores de que a suspensão do Consulado Itinerante em vários estados americanos seria uma retaliação do governo federal aos emigrantes, Wesley foi cauteloso: “eu ouvi comentários sobre isso, mas não foram de fontes oficiais. O Conselho de Cidadãos Brasileiros da Flórida não falou sobre o assunto e acredito que esses rumores surgiram do inesperado. O consulado tem vindo regularmente a Orlando e não posso compactuar com informações sem procedências”, enfatiza. “Como eu disse, o cônsul havia antecipado sobre o corte de verbas para as atividades consulares, e creio que a suspensão tenha sido também pela falta de gente para o atendimento”.

Outro tópico questionado pelo pastor Wesley foi a suspensão da urna eletrônica em Orlando pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), impossibilitando muitos brasileiros de votarem. “Estava tudo certo, com pessoas voluntárias para o processo de votação, mas o TSE cancelou tudo, alegando ter poucos eleitores em Orlando. Acho isso um absurdo porque no Brasil, em cidades com um número muito menor de eleitores, foram disponibilizadas urnas eletrônicas. Temos hoje cerca de um milhão e meio de brasileiros residindo nos Estados Unidos e isso precisa ser considerado. Imagine se todos votassem, teria feito a diferença. Aqui na Flórida, a maioria votou no Aécio Neves no primeiro e segundo turnos”, lembra.

A respeito dos transtornos causados aos imigrantes em Orlando, com a falta de atendimento do Consulado Itinerante, Wesley explica que, “somos uma população de aproximadamente 30 mil brasileiros residindo em Orlando. Todos são servidos pelo Consulado itinerante. Somos uma comunidade crescente, pois hoje temos empresários e investidores que estão chegando na cidade para residir. É um novo perfil do imigrante brasileiro, diferente daquele brasileiro que chegou aqui para trabalhar na construção civil ou na faxina. E a atividade do Consulado é útil porque as pessoas não precisam perder dia de serviço para ir a Miami. E às vezes chega lá (Miami) e ainda faltam documentos”, diz.

Consulado em Orlando

O pastor Wesley disse que será iniciada campanha reivindicando a sede do Consulado Brasileiro em Orlando. “Vamos promover reuniões com líderes de comunidade, com jornalistas e a população brasileira em geral reivindicando a sede do Consulado em nossa cidade. Vamos fazer abaixo-assinado, cutucando o Itamaraty. É importante lembrar que o Consulado itinerante não supre as necessidades dos brasileiros que residem em Orlando. A demanda por aqui é muito grande. E não é apenas o brasileiro em nossa cidade que precisa da assistência consular, temos atendido imigrantes na região. São poucas as senhas de atendimento – 200 – e um número de apenas cinco pessoas do Consulado para atender imigrantes deste de Tampa até Daytona Beach, passando por Orlando e Jacksonville. É meramente impossível, fisicamente falando. Os trabalhos são morosos devido as exigências consulares”, finaliza.

Opinião do Conselho de Cidadãos na Flórida

Representante do Conselho de Cidadãos Brasileiros na Flórida, Sandra Freier, que também é membro da Igreja Presbiteriana Nova Esperança, em Orlando, disse que tomou conhecimento de supostos comentários de retaliação aos imigrantes – que votaram em massa no candidato presidencial Aécio Neves – devido ao cancelamento das atividades do Consulado Itinerante nos Estados Unidos. A paulistana que reside há 14 anos na Flórida afirmou desconhecer a origem da polêmica informação. “Eu li alguma coisa no Facebook falando sobre retaliação. Mas conversei com o Cônsul adjunto, Fernando Arruda, e ele me disse que o corte de verbas para o Consulado itinerante foi em função da mudança de sede do Consulado em Miami. Não houve atendimento aos brasileiros em outubro e em novembro talvez não haja”, conta.

“Isso não é bom porque há dez anos o Consulado itinerante atende os imigrantes, e a igreja Nova Esperança tem feito parceria com o Consulado em Miami. Nos últimos quatro anos, intensificaram-se os trabalhos na cidade e tivemos a parceria de outras igrejas para atender a demanda. É preocupante o que está acontecendo. Vamos ter uma reunião do Conselho (Cidadãos Brasileiros na Flórida) em dezembro e o assunto será colocado em na pauta. O objetivo é levar a questão para o embaixador Hélio Vitor Ramos Filho”, adianta. Segundo Sandra, o Consulado Itinerante atende em Orlando dez vezes ao ano – de fevereiro a novembro. Em 2014, entretanto, no mês de outubro foram cancelados os serviços consulares, o que provavelmente ocorrerá em novembro – tudo vai depender da decisão do Itamaraty. “Vamos aguardar a posição oficial do Itamaraty”, finaliza.

WaltherAlvarenga

Walther Alvarenga