As Relações Sul – Sul

As Relações Sul – Sul

voltar

Há coisas que escutamos, quando crianças, que não nos saem da cabeça. Umas dessas coisas que me martela na mente é uma frase mista de promessa com toques de profecia: “O Brasil é o país do futuro”  E assim crescemos, sem que esse futuro chegasse.

Outra coisa que não esqueço nunca, essa adquirida já na fase universitária, diz respeito às relações Sul – Sul. Segundo ideólogos da década de 1970, as relações comerciais entre os países ao Sul do Equador iriam se intensificar de tal forma que transformariam o “lado de baixo” do mundo num contraponto da parte de cima. Essa observação era derivada da independência dos países africanos, quase todos alinhados com a politica dos países da antiga União Soviética, e os países da América Latina, quase todos com viés comunista.

Pois bem. Da mesma forma que o Brasil não se transformou naquele paraíso preconizado por aquela pequena frase, as relações Sul-Sul entre os países ao Sul do Equador também não se concretizaram. Pelo menos no Atlântico Sul, haja a vista que não existe uma linha marítima sequer, unindo o Brasil à África e nenhuma companhia aérea voando do Brasil para o Continente africano. Discursos sobre o tema já ouvi mais de mil. Decisões práticas para que esse isso acontecesse; nenhuma.

Enquanto nós ficamos aqui, a ouvir discursos para boi dormir, os Estados Unidos da América de um lado, e a China do outro, protagonizam uma nova corrida ou “ocupação” da África.

mapa2

Os Estados Unidos, por sua vez, acolhem nesta semana uma cimeira entre o presidente Barack Obama e Chefes de Estado e de Governo de África (50 países africanos estarão presentes), e na qual participam os cinco países africanos de língua portuguesa.

Segundo Carlos Neves, embaixador de São Tomé e Príncipe, “o evento, que pretende discutir questões de segurança e de economia, podera servir de ponto de partida para uma maior aproximação politica entre os Estados Unidos e os países do Continente africano”.

Enquanto isso, por sua vez, a China esta realizando a 6ª edição do Workshop da Cooperação Sul-Sul, sobre o Desenvolvimento Rural e Redução da Pobreza. Pela primeira vez o evento acontece fora da China. Será em Moçambique e é organizado pelos Governos de Moçambique, da China e pelo Fundo Internacional para o Desenvolvimento da Agricultura – FIDA.

A lista dos países participantes do Workshop da Cooperação Sul-Sul é grande, inclui Moçambique, Angola, Burundi, Egito, Etiópia, Eritreia, Nigéria, Quénia, Sudão,  Tanzânia, Gana, Madagáscar, Malawi, Uganda e Zâmbia.

O objetivo maior é a redução da pobreza através da identificação de propostas para o aumento da renda dos agricultores e o estabelecimento de joint ventures entre os agentes econômicos chineses e africanos, para a segurança alimentar.

Pois é. O mundo não para e a fila anda. Enquanto ficamos perdidos nessa discussão bizarra esquerda e direita os Estados Unidos e a China estão levando a melhor num mercado que, naturalmente, seria nosso aliado. E a culpa é de quem? Dos americanos, dos chineses ou dos marcianos? Quem souber a resposta certa ganha um pirulito.

Author (2)cAltair Maia
Consultor Internacional
www.africanner.com
Skype: altair2001 / E-mail: altair2001@yahoo.com