Aliança da Ciência com a Religião

Aliança da Ciência com a Religião

voltar

JAN/2017 – pág. 34

“A Ciência e a Religião são as duas alavancas da inteligência humana. Uma revela as leis do mundo material, e a outra as leis do mundo moral” (Evangelho Segundo o Espiritismo, cap. I, item 8)

momento_esp

Emmanuel, no livro “O Consolador”, esclarece que “Religião para todos os homens, deveria compreender-se como sentimento divino que clarifica o caminho das almas e que cada espírito apreenderá na pauta do seu nível evolutivo. Neste sentido, a Religião é sempre a face augusta e soberana da Verdade”.

No mesmo livro, o autor afirma: “Religião é o sentimento Divino, cujas exteriorizações são sempre o Amor nas expressões mais sublimes. Enquanto a Ciência e a Filosofia operam o trabalho da experimentação e do raciocínio, a Religião edifica e ilumina os sentimentos”.

Poderá a Ciência substituir a Religião?

A pergunta acima foi feita a Francisco C. Xavier, em 1935, quando ele começava o trabalho na mediunidade, e as pessoas lhe faziam muitas perguntas para testar suas faculdades. Jovem de 25 anos, só com o curso primário, recebia perguntas sobre os mais variados assuntos, inclusive em inglês, idioma que ele não conhecia.

Vejamos a resposta de Emmanuel, através de Chico Xavier, para a pergunta acima:

“Creio que, no futuro, viverá a humanidade fora desse ambiente de animosidade entre a ciência e a religião; julgo, contudo, que em nenhuma civilização pôde a primeira substituir a segunda. As suas antinomias serão eliminadas dentro do estudo, da análise, do raciocínio.

Nos tempos modernos, mentalidades existem que pugnam pelo desaparecimento das noções religiosas do coração dos homens. Pede-se uma educação sem Deus, o aniquilamento da fé, o afastamento das esperanças de uma outra vida, a morte da crença nos poderes de uma providência estranha aos homens. Essa tarefa é inútil. Os que se abalançam a sugerir semelhantes empresas podem ser dignos de respeito e admiração pelos seus méritos científicos, mas assemelham-se a alguém que tivesse a fortuna de obter um oásis entre imensos desertos. Confortado e satisfeito dentro da sua felicidade ocasional, não vê as caravanas sem número de infelizes, transitando sobre as areias ardentes, cheios de sede e de fome.

O sentimento religioso é a base de todas as civilizações. Preconiza-se uma educação pela inteligência, concedendo-se liberdade aos impulsos naturais do homem. A experiência fracassaria. No dia em que a evolução dispensar o concurso religioso, a Humanidade estará unida a Deus pela ciência e pela fé então irmanadas.

Em cada século o progresso científico renova sua concepção acerca dos mais importantes problemas da vida. Raramente os verdadeiros sábios são compreendidos por seus contemporâneos. Se as contradições dos estudiosos são o sinal de que a ciência progride sempre, elas atestam igualmente a falibilidade humana e a fraqueza e inconsistência dos seus conhecimentos.

Diz-se que o pensamento religioso é uma ilusão. Tal afirmativa carece de fundamento. Nenhuma teoria científica, nenhum sistema político, nenhum programa de reeducação podem roubar do mundo a ideia de Deus e da imortalidade do ser, inata no coração do homem.

As ideologias novas não conseguirão eliminá-las também.

A religião viverá entre as criaturas, instruindo e consolando, como sublime legado.

O que se faz preciso, em vossa época, é estabelecerdes a diferença entre religião e religiões. A religião é o sentimento divino que prende o homem ao Criador. As religiões são as organizações dos homens, falíveis, imperfeitas como eles próprios; dignas de todo o acatamento pelo sopro da inspiração superior que as fez surgir, são como gotas de orvalho celeste misturadas com os elementos da terra em que caíram. Muitas delas, porém, estão desviadas do bom caminho pelo interesse criminoso e pela ambição lamentável dos seus expositores; mas a verdade um dia brilhará para todos, sem necessitar da cooperação de nenhum homem.

Cabe-nos, pois, exclamar para os que creem e esperam: Ó irmãos nossos que confiais na Providência dentro da escuridão do mundo!… Do portal de claridades Além-Túmulo, nós vos estendemos as mãos fraternas!… Nossa palavra corre sobre o mundo como um poderoso sopro de verdades! Dentro do Universo mil laços nos unem. Sobre as ruínas, sobre os escombros das civilizações mortas e dos templos desmoronados, nós viveremos eternamente. Uma justiça soberana, íntegra e misericordiosa preside aos nossos destinos. Na Terra ou no espaço, unamos os nossos esforços pelo bem coletivo.” – Emmanuel


José Argemiro da Silveira
Autor do livro: Luzes do
Evangelho, Edições USE