Alergia aos polens

Alergia aos polens

Edição de março/2019 – p. 30 e 32

Alergia aos polens

As flores estão desabrochando, e todas as plantas parecem estar contra você: olhos lacrimejando, espirros e nariz entupido esperam por todos aqueles que tem alergia a pólen. Em vez de apreciar o clima agradável e as plantas em seu auge, você pode apenas torcer para que a primavera acabe o quanto antes.

Nas primeiras vezes, quem sofre de alergia a pólen pensa que o problema é um resfriado qualquer. Pode levar anos até que a pessoa perceba que a repetição dos sintomas ocorre sempre nas mesmas épocas do ano.

Se você sofre de alergia a pólen, certamente identificou-se com a situação. Mas quanto você realmente conhece da sua condição? Confira as causas, sintomas e tratamentos para o problema.

Os polens são os alergênios mais importantes do ambiente exterior que induzem sintomas de doença alérgica. A gravidade das manifestações alérgicas depende da quantidade de pólen libertado e da exposição do indivíduo durante a estação do ano específica; por isso, podem variar de ano para ano, sendo mais graves quando há níveis de polens elevados.

No último século assistimos a um progressivo e surpreendente aumento da prevalência da rinite alérgica a pólen, tendo passado de uma doença rara (descrita pela primeira vez em 1819 – designando-se na altura “febre dos fenos”, com apenas alguns casos identificados nos anos seguintes) para se tornar a condição imunológica mais frequente no ser humano, hoje em dia.

É comum a ocorrência de sintomas como rinite, conjuntivite e asma em indivíduos sensibilizados ao pólen quando este se encontra em elevada quantidade no ar, tal como acontece em plena primavera.

O que são os polens

Os polens são grãos de pequeníssimo tamanho, microscópicos e, por isso, invisíveis ao olho humano, produzidos pelo aparelho reprodutor masculino das flores. A polinização consiste precisamente na libertação desses grãos para a atmosfera e se espalharem de forma a iniciarem o cultivo dessa espécie de plantas em outras localizações e dessa forma assegurar a manutenção e sobrevivência das espécies vegetais. Por isso, podemos encontrar polens em quase todos os locais de ambiente exterior, uma vez que eles viajam muitos quilômetros com o vento e com as abelhas para propagar as sementes da espécie. Além disso, cada planta produz milhares e milhares de grãos de pólen.

As condições atmosféricas são determinantes para a maior agressividade dos polens. A temperatura e umidade mais propícias à polinização ocorrem durante os meses de primavera e início de verão para a maioria das plantas. O vento, a temperatura elevada e o tempo seco favorecem maior gravidade de sintomas. Por outro lado, os períodos de chuva reduzem drasticamente os níveis de pólen. No entanto, é fundamental ter noção que nem todas as plantas polinizam ao mesmo tempo, nos mesmos meses.

Causas da alergia ao pólen

Algumas plantas, de praticamente todos os tipos, produzem uma espécie de pó fino chamado pólen. O pólen é leve o suficiente para viajar através do ar. Esta é a forma que as plantas encontraram para reproduzirem-se, sem poder sair do lugar. Infelizmente, é a forma que seu corpo encontrou de sofrer diversos sintomas desagradáveis, também.

Algumas pessoas sofrem de alergia a pólen específico de alguns tipos de planta, enquanto outras podem somar a alergia a quase todos eles.

Em que idade se manifesta a alergia?

Os sintomas de alergia a polens podem aparecer em qualquer idade, ainda que sejam mais frequentes a partir da infância (na criança em idade escolar) e juventude.

A alergia a polens é muito rara no recém-nascido ou no bebé de meses. Habitualmente, vai-se desenvolvendo ao longo dos anos seguintes.

Também podem aparecer de novo em adultos, ou mesmo ocorrer como uma alergia tardia numa fase mais avançada da vida.

Sintomas

Se você possui alergia a pólen e sai para a rua quando elas estão cheias dele, seu corpo irá reagir como se estivesse sendo invadido. Seu sistema imunológico produzirá grandes quantidades de histamina para combater o “problema”. Quando isso ocorre, você pode desenvolver uma série de sintomas, como:

  • Garganta dolorida ou coçando;
  • Olhos coçando e lacrimejando;
  • Nariz escorrendo ou trancado;
  • Espirros;
  • Tosses e pigarros.

Tratamento

Existe tratamento para impedir o aparecimento dos sintomas, ou tratamento para aliviar os sintomas quando estes já estão instalados. A opção depende da opinião do Médico Alergologista, que pondera cada situação caso a caso e, por isso, é fundamental a consulta.

O tratamento medicamentoso preventivo depende de conhecer a época de polinização dos polens a que o doente é alérgico e consiste em tomar medicamentos ou remédios antialérgicos (anti-histamínicos, sprays nasais, etc) durante essa fase, de forma a impedir o aparecimento dos sintomas. Esta solução é temporária e não cura a doença, mas permite o conforto do doente.

Se a doença é mais grave, ou de forma a eliminar a necessidade de medicamentos constantes, pode-se decidir por fazer vacinas.

Como prevenir as alergias?

Não é possível uma completa prevenção ou evicção dos polens nas épocas em que estão dispersos no meio ambiente exterior (iria acabar fechado alguns meses sempre dentro de casa!). No entanto, algumas medidas ajudam a proteger de quantidades maiores:

  • Conhecer o boletim polínico que divulga as previsões de quantidades de pólen em cada semana , e se possível evitar zonas de maior concentração polínica;
  • Evitar estar ao ar livre nas primeiras horas da manhã em que há maior quantidade de pólen, sobretudo em dias de muito vento e sol, e evitar abrir as janelas de casa nesse horário (preferir arejar a casa da parte de tarde);
  • Ao chegar a casa tomar uma ducha e mudar de roupa;
  • Usar a máquina de secar roupas;
  • Ir para o trabalho ou para a escola preferencialmente de carro mantendo as janelas fechadas;
  • Usar filtros anti-polens para o ar-condicionado;
  • Quando viajar de mota utilizar capacete integral;
  • Evitar cortar a relva;
  • Utilizar óculos escuros para combater os sintomas oculares;
  • Atenção aos desportos de ar livre, campismo, caminhadas na natureza, quando são previsíveis maiores contagens de polens;
  • São preferíveis atividades e férias de praia se for uma época de polinização.

Não existe nenhum remédio caseiro ou natural com eficácia comprovada no tratamento da alegria ao pólen. Nunca tome qualquer remédio sem antes consultar um especialista.