A Arte de Fazer Música – Parte II

A Arte de Fazer Música – Parte II

Edição de novembro/2017 – pág. 42

A Arte de Fazer Música – Parte II

Nesta edição continuaremos abordando as etapas pertinentes ao processo de produção musical. Assuntos como ISRC, sociedade autoral e documentação são de extrema importância, normalmente motivo de inúmeras dúvidas entre músicos e até mesmo de produtores musicais.

Lembrando que todos os assuntos abordados nesse artigo poderão ser encontrados de maneira detalhada nas 165 páginas do Manual Prático de Produção Musical – Segunda edição, lançado em 2016.

Mixagem

Mas enfim, o que significa mixar? Se pudéssemos resumir o assunto em apenas uma frase, poderíamos arriscar definindo mixagem como a arte de misturar os instrumentos gravados de uma música, para apresentarmos ao ouvinte uma ideia musical. De qualquer forma, assim como não existem regras para se obter uma boa mixagem, existem sim procedimentos a serem seguidos para que uma produção inteira não seja comprometida com uma mixagem mal realizada. No entanto, antes mesmo de iniciar o trabalho, estabeleça a duração dos períodos de mixagem, e no momento adequado, assuma o final desse processo.

A título de sugestão, caso não se sinta seguro para mixar, o melhor começo para uma boa mixagem é a contratação de um engenheiro de som capacitado a exercer a função. Em seguida, apresente a ele seus CDs preferidos, para que ele tenha uma ideia do caminho a ser seguido. Utilize um MP3 player para ouvir nele cada uma das faixas mixadas, mesmo porque na atualidade, é indispensável que sua produção musical soe bem, principalmente em um MP3 player.

Material fotográfico

Enquanto o áudio é mixado, providencie material fotográfico adequado, para posteriormente ser utilizado na produção do projeto gráfico ou, mais especificamente, na capa do CD. Antes de iniciar a produção fotográfica, é conveniente consultar o responsável pelo projeto gráfico, para junto a ele obter as especificações necessárias do material fotográfico a ser produzido. Produzir as fotografias necessárias, com boa qualidade, é tarefa de extrema importância. Uma vez que a produção da capa exige cuidados especiais, esqueça a ideia de produzir as fotografias com a câmera do seu celular. Lembre-se que a capa do CD é a embalagem de seu produto e, sendo assim, é material tão fundamental quando o conteúdo – ou seja, a sua música.

Projeto Gráfico

A capa do CD envolve a utilização de textos e fotografias, que se usados com bom gosto e competência, conquistarão o consumidor. Pesquisas apontam que muitos consumidores consomem CDs, simplesmente porque são atraídos pelas capas. Portanto, antes mesmo de definir o projeto gráfico, pesquise muitas capas e identifique quais elementos gostaria de utilizar em seu trabalho. Também indispensável é contatar previamente a empresa que fabricará o CD, pois existem especificações técnicas a serem seguidas (como textos e até logomarcas a serem incluídos no projeto gráfico), que somente o fabricante poderá informá-lo.

Sociedade Autoral

Para defender seus direitos, autores, intérpretes e produtores musicais podem afiliar-se a associações, também conhecidas por Sociedades Autorais. São elas que fazem a defesa judicial dos direitos de seus associados, inclusive repassando as importâncias arrecadadas pelo Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição). Ao afiliar-se a uma Sociedade Autoral, o associado também poderá adquirir o software para cadastramento das músicas. Com o auxílio do software o produtor poderá cadastrar cada um dos fonogramas (músicas) contidos no CD, gerando assim um código de ISRC para cada um dos fonogramas – procedimento obrigatório para a fabricação do CD.

ISRC

Sigla de International Standard Recording Code, o ISRC significa basicamente o Código de Gravação Padrão Internacional. Trata-se de um código eletrônico alfanumérico de 12 caracteres, dividido em quatro elementos, representando respectivamente: país (dois dígitos), o primeiro proprietário da gravação (três dígitos), ano de gravação (dois dígitos) e um sequencial (cinco dígitos).

Parte da documentação indispensável para a fabricação industrial do CD, o ISRC é obtido através do preenchimento dos formulários referentes a cada um dos fonogramas contidos no CD, e age como um identificador básico das gravações fonográficas. Estilo musical, data da gravação, previsão de lançamento, autores, intérpretes e tudo mais que diz respeito a uma música, deverá necessariamente constar no formulário de ISRC. Junto ao software de ISRC é possível encontrar manual referente ao preenchimento do mesmo.

Masterização

Depois de mixadas as músicas, é no processo de masterização que se encerra a pós-produção do CD. Nessa etapa da produção musical são realizados pequenos ajustes de equalização e compressão, de forma a manter a mesma consistência nas músicas contidas no CD – principalmente se elas foram gravadas em diferentes estúdios. Ainda na masterização é possível a correção de problemas como pops, defasagens e ruídos indesejáveis. As empresas que realizam a fabricação industrial de CDs oferecem o serviço de masterização, muitas vezes já incluso no preço. Assim mesmo, avalie como o processo será realizado, antes mesmo de se decidir por ele. É também na masterização que se inclui no CD matriz os respectivos códigos de ISRC, um para cada uma das músicas contidas no CD.

Fabricação de CDs

A partir do CD masterizado e da devida documentação providenciada, é possível dar a entrada na fabricação dos CDs. Existem duas possibilidades para a fabricação industrial de CDs: com ou sem capa.

Com capa: juntamente ao CD de áudio, também deverá ser entregue CD contendo o projeto gráfico (capa do CD e rótulo), caso tenha optado pelo pacote que inclui a impressão da capa.

Sem capa: na possibilidade de optar por contratar uma gráfica para a impressão do projeto gráfico, solicite a fabricação de CDs no pino (quando os CDs são entregues sem capa, acondicionados em pinos plásticos). Juntamente ao CD de áudio entregue CD contendo somente o projeto gráfico do rótulo (arte a ser impressa em uma das faces do CD). Mesmo produzindo o CD sem a capa, o fabricante deverá oferecer o código de barras (EAN), bem como as demais logomarcas necessárias. Munido de EAN e logomarcas, o material deverá ser incluso na capa a ser impressa separadamente do CD.